21. Oktober 2020

Ghass Mo explica o trabalho de um freelancer da BTC no Iraque

O bitcoin e o crypto têm um lugar de destaque no Oriente Médio? Basta perguntar a Ghass Mo, um freelancer que agora chama o Curdistão, Iraque, de lar após deixar sua Síria natal, devido à guerra civil em curso.

Ghass Mo sugere uma crescente presença de criptologia no Oriente Médio

Mo tem trabalhado como um freelancer de Bitcoin Future nos últimos dois anos. Ele não ganha nenhum fiat padrão por seu trabalho, mas é pago em BTC, que ele então usa para sustentar sua família em casa. Descrevendo o que ele faz, ele explicou:

Sou pago em bitcoin por fazer trabalho em projetos de código aberto relacionados à indústria de moedas criptográficas. O primeiro programador que conheci foi Amir Taaki… Aprendi muito com ele e ele estava me apoiando.

Este encontro ocorreu principalmente por acaso. Originalmente, não era o desejo de Mo de cair no espaço do bitcoin. É apenas algo que aconteceu, mas com tantos problemas sociais e econômicos na Síria, Mo sentiu que a moeda criptográfica lhe proporcionava uma sólida oportunidade de entrar em um campo inteiramente novo e ganhar os fundos de que precisava. Ele diz:

A guerra em curso na Síria e a falta de estabilidade me afetaram. Às vezes, passo meses tentando terminar um curso online, traduzindo cada palavra [do inglês]. As pessoas [eu sei] interessadas neste campo de estudo poderiam ser contadas por um lado.

Para comprar os itens que ele vai precisar ou para pagar contas, Mo é obrigado a transferir seu BTC para moeda fiduciária através de câmbios locais como o Kurdcoin, que serve como um centro de transferência para tantos entusiastas do criptograma do Oriente Médio. Esta troca foi fundada por um jovem chamado Abdurrahman Bapir, que tem operado uma rede de dinheiro durante os últimos três anos.

Bapir se une às empresas hawala locais, que são usadas para enviar dinheiro através de vários estados islâmicos. Estas empresas já operam há anos, muito antes da criptografia, como a conhecemos, existir. Agora que a BTC é um dos ativos mais populares ao redor, a utilização de criptografia para transferir dinheiro para as partes vizinhas tornou-se uma configuração proeminente.

Bapir menciona como as mídias sociais têm contribuído para que as pessoas se envolvam no bitcoin bandwagon:

O Facebook é nossa principal fonte de descoberta para novos clientes. A palavra de boca em boca é a segunda. Nós mesmos também vendemos carteiras de hardware. Recentemente iniciamos este serviço. Já vendemos dez no Iraque, e está aumentando.

Os bloqueios de fronteira são um problema

Infelizmente, uma nuvem escura se formou no horizonte com a forma do coronavírus, que impôs inúmeros bloqueios. Isto levou a sérios problemas para garantir que as transferências ocorressem a tempo e que as pessoas recebessem o dinheiro necessário para sobreviver. Mo explica:

Após o bloqueio devido ao coronavírus, as fronteiras entre o Curdistão iraquiano e Rojava [Síria] foram fechadas. Às vezes, há dificuldades na transferência de dinheiro e as taxas aumentam várias vezes.